Os Leigos Boa Nova são jovens em Missão: anunciar Jesus Cristo, servir os mais pobres do mundo e promover a solidariedade, o desenvolvimento, a justiça e a paz.

.posts recentes

. D. António Couto vai apre...

. Conferência sobre Volunta...

. Ceia de Natal Comunitária

. Concurso de Ideias para a...

. Jornadas Missionárias 201...

. Pontes de Comunhão em Moç...

. "SER CRISTÃO É SER MISSIO...

. Voluntários partem em Mis...

. Espectáculo de Solidaried...

. É urgente agir a partir d...

.arquivos

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

Sábado, 29 de Setembro de 2007

Ordenação Episcopal de D. António Couto

A paróquia de S. Martinho de Cucujães esteve em festa com a ordenação episcopal de D. António José da Rocha Couto, até então Superior Geral da Sociedade Missionária da Boa Nova, que a partir de 10 de Outubro entrará na arquidiocese bracarense. O rito de ordenação, que teve lugar no pavilhão do Clube Desportivo de Cucujães, mobilizou a paróquia e a própria Sociedade Missionária, instituto a que o novo Bispo pertence.

 

Uma multidão vinda de diferentes locais

Sob um tapete de flores, o cortejo, que integrava três dezenas de bispos, algumas centenas de padres, dirigiu-se do seminário para aquele recinto transformado em igreja.

O pavilhão do Clube Desportivo de Cucujães foi pequeno para acolher quantos quiseram participar no rito da ordenação episcopal. Muitos cristãos da região uniram-se ao Seminário das Missões num momento importante da sua vida. Uma multidão de cristãos, amigos das Missões e do padre António Couto, uns vindos da sua terra natal, Vila Boa do Bispo, do concelho de Marco de Canaveses, transportados em cinco autocarros, outros da arquidiocese de Braga, o reitor e altos responsáveis da Universidade Católica Portuguesa onde é um dos professores mais conceituados e muitas outros da Diocese do Porto onde passou os seus 27 anos de sacerdócio, estiveram em Cucujães.


Rito de ordenação episcopal

A cerimónia foi presidida por D. Jorge Ortiga, Arcebispo de Braga, ladeado por D. António Marto, Bispo de Leiria-Fátima e D. Manuel Clemente, Bispo do Porto.

Ainda antes da homilia, foi apresentado o eleito e feita a leitura do Mandato Apostólico, pelo qual o Papa Bento XVI escolheu o novo Bispo. À homilia, D. Jorge Ortiga considerou que, “tal como a amendoeira floresce no Inverno, anunciando que este está para passar, a ordenação do novo bispo auxiliar de Braga será para a Igreja e para o mundo o anúncio de uma Primavera que pode despontar e um sinal de esperança”.

O Arcebispo de Braga referiu que “esta ordenação episcopal deve ser, para a Igreja em Portugal, uma maior consciencialização pela causa do Evangelho, comprometendo-se num autêntico empenho que, nos tempos actuais, deve transparecer como sinal e semente de esperança”.

Uma cultura de morte

Antes, o prelado bracarense, falou de alguns sinais inquietantes da sociedade portuguesa e, entre eles, apontou “uma mentalidade de massificação e anonimato, onde se cresce sem um relacionamento humano, verdadeiro e fraterno, com experiência de solidão nos idosos e vazio existencial nos jovens”. Considerou a sociedade hodierna “um mundo de desigualdades económicas, culturais e sociais”. Num diagnóstico que “ não permite ingenuidade de alguém que caminha de olhos fechados”, D. Jorge Ortiga apontou “uma cultura de morte a atingir indivíduos, grupos e povos através de um terrorismo organizado e com actividades racistas, violentas e provocadoras da eutanásia, do aborto e da insegurança”.


Ponto alto da ordenação

Já depois da homilia proferida por D. Jorge Ortiga, D. António Couto fez a promessa de consagração para toda a vida ao ministério episcopal. E, enquanto o coro cantava a Súplica Litânica, D. António Couto prostrou-se diante dos bispos ordenantes.

O ponto culminante teve lugar aquando da imposição das mãos por três dezenas de Bispos vindos das diferentes dioceses do nosso país, com a invocação do Espírito Santo, bem como do Evangeliário sobre a cabeça do Eleito. Seguiu-se a unção com o óleo crismal, a entrega do Evangelho, do anel, do báculo e a imposição da mitra.

A cerimónia foi abrilhantada pelo canto solene de um coro de 180 vozes, dirigido pelo maestro Manuel Pina, de S. João da Madeira, director do Coral de S. Martinho de Cucujães e dos coros da igreja de Cepelos, Vale de Cambra.


“Tenho um sonho”

Já no final da cerimónia, na sua primeira declaração pública, D. António Couto confessou que tem um sonho “o de poder ver nascer, neste mundo em mudança, em cada paróquia e em cada pessoa, um rosto missionário, evangelizado e evangelizador, acolhido e acolhedor e uma Igreja mais missionária, que seja sinal de esperança para a sociedade. A missão é graça, é a vocação própria de toda a Igreja, a sua identidade”, acrescentou o novo Bispo.”

D. António Couto confessou, com humildade, que, desde os 10 anos de idade, já perdeu “várias lutas com Deus. O que se passou hoje aqui é mais uma derrota minha, vitória Dele. Assumo publicamente a derrota, mas compreendo, cada vez melhor, que a verdadeira vocação do homem é lutar com Deus mil vezes por amor e mil vezes ser derrotado por amor. Já são muitas a zero”, gracejou.


Lema do novo Bispo: “Vejo um ramo de amendoeira”

D. António Couto adoptou como lema “Vejo um ramo de amendoeira”, uma passagem da profecia de Jeremias (1,11). “Numa altura dificílima da história de Judá, em que o povo vai para o exílio e cai a cidade de Jerusalém, com a destruição do Templo”, Deus ofereceu ao profeta uma visão que foi para “além da desgraça, da morte e da miséria”, explica.

“A amendoeira é uma das poucas árvores que floresce em pleno Inverno. Jeremias, em vez de ver a catástrofe ou a crise, tem os olhos postos na flor da esperança”, acrescenta o prelado.
D. António Couto assegura, por isso, um ministério que não seguirá “o lado do pessimismo, mas o lado positivo”, desafiando as pessoas “a verem o belo e o bom”.


Quem é?

D. António Couto nasceu a 18 de Abril de 1952 em Vila Boa do Bispo, concelho de Marco de Canaveses, diocese do Porto. Com 11 anos entrou no seminário de Tomar da Sociedade Portuguesa das Missões Ultramarinas, então conhecida por Sociedade Missionária. Recebeu a ordenação sacerdotal a 3 de Dezembro de 1980.

Os primeiros anos de sacerdócio foram vividos no Seminário de Tomar. Em 1982 fez o curso da Academia Militar e foi nomeado capelão militar. Transferiu-se depois para Roma, no Colégio Urbaniano, onde em 1986 obteve a licenciatura em Sagrada Escritura. Em 1989, depois de uma permanência de cerca de um ano em Jerusalém, no Instituto Franciscano de Emaús, obteve o doutoramento em Teologia Bíblica.

Foi seguidamente professor de Sagrada Escritura até 1991, no Seminário de Luanda, em Angola. Regressado a Portugal, foi colocado no Seminário de Valadares com o encargo da formação dos estudantes de teologia. De 1996 a 1999 foi reitor do Seminário de Valadares e leccionou na Universidade Católica Portuguesa, no Porto. De 1999 a 2002 foi vigário geral e, neste ano, eleito Superior Geral da Sociedade Missionária da Boa Nova.

Cucujães fica indelevelmente ligado ao percurso sacerdotal e missionário de D. António Couto, já que ali foi ordenado diácono, presbítero e agora Bispo.


Armas episcopais de D. António Couto

De verde com besante de ouro no ponto de honra, carregado de uma flor de amendoeira à cor branca natural. Filactera inferior de prata debruada a verde com a legenda a vermelho: “Vejo um ramo de amendoeira”.

Ornato superior feito com a cruz a rematar a elipse e o chapéu preto de seda de copa redonda e abas direitas, forrado a verde, com cordões de seis nós de cada lado.
As armas episcopais não querem manifestar ou advogar, para quem as possui, honras e ou privilégios na hierarquia social mas testemunham, antes, um programa de vida, assumindo-se como compromisso público desse programa.

O texto de D. António Couto explica como a expressão “Vejo um ramo de amendoeira”, constitui um grito de esperança e um programa de vida.

Com o verde exprime-se a esperança, num mundo aparentemente sem norte, dirigida especialmente aos humildes e oprimidos, assumindo-se a obrigação da sua defesa.
Com besante de ouro, metal que significa em heráldica fidelidade ao rei até à morte, assume-se o compromisso de fidelidade a Deus e ao seu povo.

O círculo central pode ainda ser interpretado como uma referência da divindade, mas evoca também o cosmos e o mundo. E a flor de amendoeira exprime de modo poético a esperança que uma árvore em flor em pleno no Inverno transmite.

Adaptação do artigo publicado no jornal “Correio de Azeméis” 25-09-2007

 

Sons relacionados da Rádio Renascença: 

"António Couto e o seu Sonho"

"António Couto e a luta com Deus"

Reportagem completa pela Jornalista Cristina Branco

publicado por Sérgio Cabral às 13:36
link do post | comentar | favorito
|

Jornadas Missionárias 2007

Documento Conclusivo

O Futuro da Missão ad Gentes – perspectivas para o século XXI, foi o tema das Jornadas Missionarias de 2007 que reuniram mais de meio milhar de participantes, nos dias 14, 15 e16 de Setembro, em Fátima.

A reflexão sobre o futuro da Missão ad gentes, não nos deve afastar da urgência da Missão hoje, particularmente junto dos povos e situações onde o clamor por justiça e paz é gritante. Por isso os participantes celebraram o dia global pelo Darfur por meio de uma vigília com o tema “quando o silêncio mata, a tua voz pode salvar” e da assinatura duma petição dirigida ao parlamento Europeu.

Cristo é a fonte inesgotável da missão da Igreja. Daí a necessidade de uma experiência de fé para re-descobrir, no meio de alguma confusão e desnorte, o sentido fundamental da Missão como Anúncio de Cristo e como testemunho de vida.

Um mundo em mudança, caracterizado por uma grande variedade de manifestações religiosas e por um relativismo dos valores, exige uma nova forma de ser Missão. É necessário encontrar linguagem e modos novos que contemplem a evangelização das emoções e exprimam de forma significativa a mundividência cristã.

O coração da Missão, do presente e do futuro, é a Igreja local. Como sacramento de salvação, a Igreja participa na missão de Cristo. Dessa forma, ela realiza no mundo a entrega eucarística ao Pai, pelo Espírito Santo, na comunhão dos seus membros que se dão pelos outros. O desafio do futuro da Missão é fazer da Igreja, das dioceses e paróquias, a casa e a escola de comunhão, numa espiritualidade que abra horizontes de fraternidade universal.

O empenho concreto de todos na animação missionária e vocacional da Igreja local é imprescindível. Este é mais enriquecedor e eficaz quando os próprios párocos e responsáveis diocesanos dão corpo e espírito às várias iniciativas que são um testemunho vivo da comunhão na Missão.

Na comunhão das Igrejas todos são corresponsáveis pela Missão. Somos chamados a criar, animados pelo Espírito, novas formas de comunhão, programas de cooperação e de colaboração que conduzam a uma maior participação de todos os carismas e ministérios.

A colaboração entre os leigos e os Institutos de Vida Consagrada é um enriquecimento mútuo que exige alguma ousadia na criação de novas formas de pertença e co-responsabilidade na missão da Igreja. Tal dinâmica de comunhão será favorecida pela continuação do debate, do diálogo e da formação, em actividades de carácter local, diocesano, nacional ou internacional.

Estas Jornadas Missionárias apontaram para a grande celebração e sensibilização missionária que se pretende com o Congresso Missionário Nacional, a realizar de 3 a 7 de Setembro 2008. O seu lema é Portugal, vive a Missão, rasga horizontes. Por isso, todas as dioceses, paróquias, movimentos e institutos estão convidados a fazerem da preparação, participação e acolhimento do Congresso uma oportunidade para renovarem o seu empenho na construção comum duma Igreja portuguesa em estado permanente de Missão.

publicado por Sérgio Cabral às 13:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

.Webstats4U

blogs SAPO

.subscrever feeds